terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Crise (de valores)


- Professora, tive 15 prendas!
-Professora, tive 32 prendas!
- Professora, tive uma playstation…
- Professora, tive uma singstar…
- Professora tive um telemóvel!
- Olha o meu telemóvel, professora…
- Tive um telemóvel!
-..um telemóvel…
Crise? Onde está a crise?
Quem lhes vai manter agora os telemóveis? O rendimento social de inserção? Os subsídios de…. Os meus impostos?
Crise? Onde está a crise?

3 comentários:

maria eduarda disse...

Aí estão os papás a dar aos meninos, a futilidade. É mesmo uma crise de valores e aflige-me muito!
Bjs

Anónimo disse...

A crise é para nós, que pagamos impostos para os rendimentos de inserção. Boa vida em cafés e a arranjar problemas a quem trabalha.

Nuno Medon disse...

Eu só tive o meu primeiro telemóvel em 1999. Quando saíram, já tinha idade para ter um, mas só o tive passado uns anos. O facto é que vivemos numa sociedade de consumo e todas as crianças têm telemóveis. As crianças, bem educadas sabem dar um bom uso ao telemóvel ( desligá-lo nas aulas, não brincarem com ele nas aulas, andar com ele em tom silencioso )... o pior são as crianças que os usam e que não têm valores. A minha prima tem 8 anos, deve andar na quarta classe. A minha Mãe, professora reformada e a mãe dela, professora do Ensino Secundário, já falaram sobre o facto de a rapariga ter um telemóvel, quando for p ensino Preparatório. A minha Mãe já disse e tem dito muitas vezes que quer dar o telemóvel á sobrinha neta. Como a menina é bem educada e tem uma professora dentro de casa, sei que ela se vai comportar bem na escola e que o vai desligar nas aulas, ou mantê-lo em silêncio...o pior é que não tem esses ensinamentos por parte dos Pais. beijos