quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Conflitos...


E quando, por breves instantes, o portão da escola está aberto e logo entra um pai que quer ver o seu filho?
No entanto, nem sabe o horário, nem a turma...
Com alguma experiência nestas lides, logo nos apercebemos de que a criança, ainda no 1º ano, deve estar no meio de mais um conflito familiar.
Não houve informação por parte da mãe de que deveríamos estar atentos para esta situação. Há informação por parte do pai, que tinha todo o direito de estar com a criança, tal como lhe disse o advogado...
E nós? Como é que ficamos e o que devemos fazer para não ferir ninguém, para não arranjar mais um conflito numa guerra já a decorrer?
Por sorte a criança não estava na escola, a mãe será contactada, o pai volta amanhã e teremos tempo de gerir a situação.
Mas somos sempre nós, os professores, a estar no meio desta batalha, que tal como tantas outras nunca tem vencedores, apenas a parte mais fraca a sair perdedora, ninguém a ficar com a vitória.

2 comentários:

Nuno disse...

olá! bem disposta? Isso é daqueles casos complicados, em que a parte emocial mexe com a parte mais prática, em que os professores se perguntam, como agir num caso desses! ok, alguns pais amam os filhos ( pq existe quem não goste dos filhos )... mas vamos imaginar, em que um pai, a meio de um processo de divórcio, decide raptar o filho da escola ( o pai ou a mãe )... isso sim, seria ainda mais complicado! Beijos e um bom fim de semana!

Anabela Magalhães disse...

Pois é. É mais um que sobra para nós!