terça-feira, 5 de maio de 2009

Provas de Aferição (Aflição)


Boa Noite!
Finalmente sentei-me.
Trabalhei todo o dia, na escola e para a escola.
E depois, como se não chegasse, comecei uma reunião às 18h e 30m que terminou às 21h e 51m.
Sim, porque breve, breve chegam as Provas de Aferição.
São muito importantes as Provas de Aferição.
Exigem a todos os professores uma infinidade de reuniões de preparação; exigem uma imensidade de downloads, pesquisas de documentos e impressões em série; uma actualização constante de listas, números e datas; uma organização e distribuição de aplicadores, correctores e secretariados; uma lista de informações aos encarregados de educação...
Mas mais importante: um sem números de árvores abatidas para que se façam as provas com uma média de 20 páginas cada uma. Vindo em saquinhos de 10 e havendo sempre mais ou menos 12 alunos em cada sala desperdiçam-se todas as outras, no fim...
Depois, bem depois... corrigem-se, fazem-se as devidas publicações de resultados e as necessárias estatísticas que nos deixam cada vez mais informados de que somos um povo culto, educado e muito, mas mesmo muito inteligente.
Ou talvez não.
Para onde caminhamos, para onde nos leva todo este trabalho?
Boa noite!

3 comentários:

Anabela Magalhães disse...

O caminho é o da Boa Estatística! Ou será mesmo Celente?

didium disse...

O caminho é de uma Estatística Celente. É só!

Saltapocinhas disse...

ainda não comecei nessa azáfama, mas não deve tardar...
já sei que me vai caber outra vez o papel de "aplicadora", que é uma grande seca. Mas mais vale esse que o de correctora!!
mas tem razão: é uma razia de papel e, para quê??
e por que são as provas todas iguais quando nos passam a vida a dizer que as crianças são diferentes e o ensino deve ser diferenciado??