sexta-feira, 10 de abril de 2009

Férias! Férias?



Deparei-me, durante estes dias, com vários tipos de comentários de pessoas que, estando distanciadas de profissões ligadas à educação, não deixaram de demonstrar a sua indignação pela quantidade de férias que os professores têm.
Indignação que eu mais posso qualificar de inveja e ignorância.

Não conseguem compreender como é que os professores podem ter tantas “férias”! Estão até em desacordo que as creches e os infantários (que foram os primeiros a serem penalizados nestas interrupções) possam fechar alguns dias.
E eu, que até sei que vozes de burro não chegam ao céu, da primeira vez ainda apontei algumas das razões: as creches têm de ser desinfectadas de vez em quando, as crianças têm de ter contacto com outras pessoas (avós, amas…), todos precisam de outras vivências e espaços; os professores trabalham com a mão de obra “crianças” e como tal têm de “recarregar baterias” para sanidade de todos, trabalhamos até altas horas nos períodos lectivos… etc, etc, etc
Não valeu a pena.

Das outras vezes fiz de conta que nem ouvi, afinal estamos de “férias” e não nos compete estar a ensinar ninguém, principalmente quem já não aprende.
Só gostava de saber porque é que as pessoas não discorrem, que isto das férias para os professores é igual em todas as partes do mundo; que as escolas não podem estar abertas 100% do tempo; que não cabe à escola ser um local de guarda e sobretudo de desresponsabilização da família.
Cada vez mais a opinião publica está a ser deseducada e a culpa não é da educação que a escola ainda tenta transmitir.

2 comentários:

didium disse...

Pois, concordo contigo.
Já não tenho mesmo paciência para esse tipo de comentários... e vou respondendo... e as pessoas ou são mesmo burras, ou gostam de parecê-lo!
Bjs

Saltapocinhas disse...

eu já nem respondo!